Quarta Igreja Presbiteriana de Suzano Igreje Presbiteriana do Brasil

Nossa História

Indique para um amigo

Seu nome:
E-mail amigo:
Enviar

Através dos depoimentos colhidos, temos informações que as irmãs do departamento Débora da SAF da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano que residiam no Parque Maria Helena reuniam-se todas as terças feiras em reuniões de oração no bairro. Estas irmãs rogavam a Deus que fosse aberta uma porta para a pregação do Evangelho neste local de Suzano, o que também facilitaria a mais efetiva participação aos trabalhos da Igreja àqueles que residiam no bairro, pois, ao terem um local mais próximo de suas residências, a assistência e participação seria melhor. Surge então, pela providência divina, uma oportunidade. A irmã Norma Lúcia Pereira de Morais ofereceu seu lar para que ali fosse iniciado este trabalho.

No dia 25 de fevereiro de 1993, no lar dos irmãos Francisco Pires de Morais e Norma Lúcia Pereira  de Morais, situado na Rua Oswaldo Cruz, 65, dá-se início aos trabalhos do Ponto de Pregação do Parque Maria Helena e, conforme informações, neste dia, estiveram presentes 30 adultos e 03 crianças. O Conselho da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano, presidido na época pelo Rev. Francisco Baptista de Mello, registrou assim no dia 20 de março de 1993, o início deste trabalho no Livro de Atas n0 03 da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano: “O Conselho resolve oficializar o ponto de pregação no Parque Maria Helena tendo como local provisório a residência do Sr. Francisco P. de Morais, tendo como representante do Conselho o Pb. Vander Anselmo Vieira.”

No dia 20 de agosto do mesmo ano, conforme anotações do nosso irmão o oficial diácono Ferdinando Pizzolato, o Ponto de Pregação do Parque Maria Helena passou à condição de Congregação, tornando-se portanto, Congregação Presbiteriana do Parque Maria Helena, funcionando ainda nas mesmas instalações anteriores ao fato.

Segundo a Ata de número 326 do Conselho da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano, do dia 10 de junho de 1994, devido ao pedido de desocupação da propriedade utilizada até então pela referida congregação, o Conselho resolveu diante deste fato, nomear a seguinte comissão para estudar a possibilidade de aquisição de um terreno visando à transferência da citada congregação para sede própria a funcionar no local encontrado; tal comissão foi composta por: Rev. Rubens Thomaz de Aquino, então pastor da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano, Pb. Vander Anselmo Vieira, Pb. Raul Lima Bittencourt, Dc. Ferdinando Pizzolato e a irmã Noemi Berti.

De acordo com a Ata seguinte, de número 327, o Conselho da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano reunido no dia 08 de julho de 1994 registrou o seguinte sobre a sua decisão referente ao assunto em pauta: “Resolve alugar salão no Parque Maria Helena que abrigará a Congregação daquele local, devendo ser feito um contrato. Formar uma comissão para deixar o local adequado – Pbs. Alceu Ribeiro, Vander Anselmo Vieira e Raul Lima Bittencourt.”

Conforme registros, no dia 23 de agosto de 1994, a Congregação Presbiteriana do Parque Maria Helena, passou para um novo endereço, um salão alugado situado na Rua Alberto Fink, 292, salão que era da propriedade dos irmãos Gabriel Cordeiro Ferraz e Maria da Glória Eliotério Ferraz, membros desta Igreja já na ocasião.

Em 1995, o seminarista Emerson Baran Santos foi designado pelo Conselho da Igreja para trabalhar junto à referida Congregação, o que fez até o ano de 2000. A partir de 2001, o trabalho neste campo passou a ser desenvolvido sob o pastorado do Rev. Charles Mello de Oliveira, então pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano, designado para trabalhar mais de perto na Congregação Presbiteriana do Parque Maria Helena, o que fez até o final do seu pastorado nesta Igreja, em dezembro de 2003.

No dia 13 de maio de 2001, a Igreja Presbiteriana Unida de Suzano, reuniu-se em Assembléia Geral, conforme descreve a Ata de número 66 do seu livro de Atas das Assembléias e resolveu aprovar a compra de um terreno para a referida Congregação.

Segundo os registros na Ata de número 544, referente à reunião do Conselho da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano ocorrida no dia 03 de março de 2003, o referido Conselho, reunido sob a presidência do Rev. Héber Carlos de Campos Jr, resolveu efetuar a mudança da Congregação para as novas instalações, o que efetivamente aconteceu no dia 12 de julho de 2003, passando a Congregação Presbiteriana do parque Maria Helena a se instalar na Rua Cidade de Diadema, 700, no mesmo bairro.

A partir de janeiro de 2004, a Congregação Presbiteriana do Parque Maria Helena passou a ser pastoreada pelo Rev. Edvaldo Falsetti, pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Unida de Suzano, cujo trabalho pastoral foi focado no desenvolvimento da referida Congregação.

Sob a presidência do Rev. Raimundo Monteiro Montenegro Neto, o Conselho da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano aprovou no primeiro semestre de 2006 um plano de estímulo para a organização da Congregação Presbiteriana do Parque Maria Helena na Quarta Igreja Presbiteriana de Suzano.

Foi com muita seriedade e alegria, cheio de santas expectativas que o Conselho da Igreja Presbiteriana Unida de Suzano, reunido no dia 04 de maio de 2006, decidiu aprovar um projeto final visando a emancipação da Congregação Presbiteriana do Parque Maria Helena na Quarta Igreja Presbiteriana de Suzano. Tal projeto foi recebido positivamente pelos membros da referida Congregação. O trabalho foi sendo desenvolvido até o ponto de aprovação do Presbitério Alto Tiete da sonhada organização. E assim, no dia 28 de abril de 2007, foi organizada a 4ª Igreja Presbiteriana de Suzano.

Muitas foram às pessoas usadas pela providência divina para levar a bom termo o desenvolvimento do trabalho da então Congregação Presbiteriana do Parque Maria Helena; tentar nomeá-los um a um, seria uma tarefa por demais grandiosa, e correríamos o risco de nos esquecermos de quem de uma forma ou de outra cooperou para o desenvolvimento desta obra de Deus; fica aqui o registro da nossa gratidão ao Senhor, que em sua soberana vontade utilizou-se de pessoas  aqui não mencionadas, dentre os quais tantos oficiais presbíteros e diáconos, como membros comuns da Igreja, sociedades domésticas e tantos outros colaboradores anônimos, os quais apesar de não virem aqui mencionados, são por Deus conhecidos e foram por Ele capacitados, cujo crédito será recompensado pelo Senhor da Seara, que provê trabalhadores, capacitando-os e efetivamente utilizando-se deles; portanto, Soli Deo Gloria.