Quarta Igreja Presbiteriana de Suzano Igreje Presbiteriana do Brasil

Pastorais

NÃO DEIXE DE CORRIGIR SEUS FILHOS

Indique para um amigo

Seu nome:
E-mail amigo:
Enviar
Data: 30/05/2010

O amor que, como pais, temos pelos nossos filhos exige que o corrijamos. É natural sermos carinhosos e termos afeto com os do nosso próprio sangue, mas esse carinho e essa afeição não podem ser empregados como desculpa para fugirmos à nossa responsabilidade. Se realmente entendemos que nossos filhos são depravados e cheios de pecado, caminhando para o inferno, e se apreciamos plenamente a responsabilidade que Deus nos impôs como pais crentes, então um amor genuíno tem que constranger-nos a disciplinar os nossos filhos.

Nosso Deus ordena: “Castiga a teu filho enquanto há esperança, mas não te excedas a ponto de matá-lo”  (Pv 19.18). Discipline seu filho enquanto há esperança. Enquanto você exerce controle sobre ele, enquanto ele estiver debaixo do seu teto, e mesmo depois, você deverá corrigi-lo. Eli foi considerado responsável, apesar de seus filhos já serem adultos e talvez já terem suas próprias mulheres e filhos. Eli tinha a responsabilidade de corrigir seus filhos, e enquanto os nossos filhos estiverem vivos, haverá esperança de que se arrependam, creiam no Senhor Jesus Cristo, e sejam salvos. Enquanto houver essa esperança, e enquanto eles forem vivos, é nossa responsabilidade, como pais crentes, oferecermos direção, disciplina e correção. Dói ouvir nosso filho chorar e saber que somos a causa de sua dor, mas dói mais ainda saber que se nós não os disciplinarmos agora, se eles não chorarem agora, poderão chorar eterna e amargamente, na dor da angústia do inferno. É melhor que chorem um pouco agora, do que sofram o choro e o ranger de dentes da perdição eterna. Melhor discipliná-los agora, enquanto há esperança, do que olhar para trás depois do juízo, e dizer: “É o que eu deveria ter feito; quem sabe, eles ter-se-iam livrado do tormento eterno”.

A Bíblia diz, em Provérbios 13:24 “O que retém a vara aborrece a seu filho”. Talvez você proteste: “Não é verdade. Eu amo a meu filho. E por isso não tenha coragem de bater nele”. Na verdade, você o despreza, porquanto pensa levianamente sobre o estado de sua alma eterna. Não importa o quanto você tente persuadir a si mesmo, Deus diz que o pai que ama a seu filho o corrigirá cedo. Disciplina não é ódio; disciplina é amor.

(Este texto foi extraído do livro: Não deixe de corrigir seus filhos – Bruce A. Ray – Editora Fiel)