Quarta Igreja Presbiteriana de Suzano Igreje Presbiteriana do Brasil

Pastorais

JESUS ENSINA-NOS

Indique para um amigo

Seu nome:
E-mail amigo:
Enviar
Data: 18/07/2010

A SER PESSOAS DE ORAÇÃO

Cristo faz da vida uma oração. Não apenas a oração passa a ser a chave do dia e a tranca da noite, mas transforma-se no próprio ato de viver. Jesus ensina que as mãos oram quando servem em amor, e que a vida é uma prece dramática e coreografada pelas atitudes que se transformam em ação positiva a favor dos interesses do Reino de Deus. No entanto, não apenas o existir é uma oração, como deve se intensificar na forma e nas expressões cotidianas do corpo que se ajoelha na presença de Deus, numa hora específica, quando a alma e o corpo balbuciam as orações e súplicas diante do Pai. A este respeito, diz-nos a Bíblia que Jesus orava sistematicamente. (Mc 6.30-34).

Presentemente, há duas maneiras bem definidas de se entender a oração: há aqueles que a vêem como um ritual devocional com o qual se deve começar bem o dia: é como levantar com o “pé direito”. Para tais pessoas, não importa se alguém esteja precisando de ajuda naquele momento, pois acham essencial não deixarem de orar no tempo marcado. Este é um ponto de vista legalista em relação à oração. Por outro lado, há aqueles que não oram e que na sua luta contra o legalismo da oração, simplesmente deixam de orar.

Com Jesus, no entanto, aprendemos que o discípulo deve segui-Lo ao lugar de oração. O seu convite “segue-me”, inclui também os momentos diários da oração. E o que retiramos do exemplo de Jesus é que, evitando qualquer legalismo, não nos deixemos enlaçar pelo descompromisso com a oração.

Pr. Edvaldo Falsetti