Quarta Igreja Presbiteriana de Suzano Igreje Presbiteriana do Brasil

Pastorais

A PALAVRA DE DEUS E A CONSCIÊNCIA

Indique para um amigo

Seu nome:
E-mail amigo:
Enviar
Data: 18/04/2010

Reverendo Edvaldo Falsetti

“Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para os meus caminhos” Sl 119.105

O salmista compara a Revelação divina com uma lâmpada e Jesus, mais tarde, usou para o mesmo fim essa figura. Nosso Senhor Jesus vê na consciência a candeia que Deus acendeu para fazer iluminada a nossa alma; e o salmista considera a Palavra de Deus como uma lâmpada que mostra e ilumina os caminhos da alma nesta vida. A consciência é luz interna, subjetiva; a Bíblia, luz externa, objetiva. De um modo ou de outro Deus nos fala e a ambos temos de entender para conhecer a sua vontade a nosso respeito e obedecê-la.

Tomando o povo de Israel como um enorme campo de experiência religiosa e moral, o Senhor ensinou tudo o que precisamos saber nesses dois terrenos e, por homens inspirados, o registrou na Bíblia. Dificilmente surgirá na vida do crente, algum caso concreto de moral que já não tenha sido resolvido na vasta experiência de Israel e seus profetas; mas quando isso acontece a Bíblia oferecerá o princípio pelo qual pode ser resolvido. Essa é a experiência do salmista, para quem a Palavra de Deus era sempre a luz para os seus caminhos; e o exemplo de Jesus que repeliu todas as tentações que sofreu, dizendo: “Está escrito”.

Além do ensino geral sobre o que é o Bem, que é o mesmo da consciência, há na Bíblia luzes muito mais claras a esse respeito pela relação íntima em que a moral se acha com a religião. Ambos (moral e religião) são necessários porque se a Palavra alarga e aumenta o ensino da consciência, é por meio desta que ela pode ser aprendida e colocada em prática. Sem a Palavra, a consciência seria uma luz deficiente, havendo situações ou problemas que não poderia resolver; e sem a consciência que são os olhos da alma, as luzes da Palavra não seriam vistas e ficariam inúteis. É dever do crente, examinar a Palavra de Deus, ser convencido do seu espírito e princípios não só para ter um guia seguro para a sua conduta, mas para poder ver suas indicações.